25.9.10

O sexo em 2010...



Nessa última sexta (ontem) eu tive a satisfação de participar de uma palestra espetacular. O tema era sobre sexualidade e deficiência, o curriculum da palestrante ocupava quase metade do folder. Formada pela PUC Campinas, mestrada pela mesma universidade, doutorada pela unicamp, pós-doc na universidade da Califórnia da puta que pariu.


E que surpresa eu tive quando percebi que a palestrante era cadeirante e mais que isso, uma cadeirante com uma atrofia bem avançada que não permitia nem que segurasse o microfone. Porém a palestra foi marcada por “n” fatores menos a falta de dinâmica que poderia se esperar em função da deficiência. Engraçada e desbocada a Dra fala de assuntos da maior seriedade com bom-humor, tirando gargalhadas da platéia e levando ela a reflexão, uma verdadeira showoman.


Durante a palestra ela trouxe dados muito interessantes. Sua pesquisa é uma das poucas falando sobre a temática no mundo e ela desenvolveu em vários países. O que ela percebeu foi que mesmo em países como os EUA onde a inclusão está bem avançada (em especial na Califórnia, onde ela viveu) a questão da sexualidade pro deficiente é problemática na mesma proporção e muito pouco se avançou. Quando começou sua pesquisa há 23 anos atrás, os catedráticos de Campinas torciam o nariz dizendo que o tema era complexo demais para ser tocado, a mesma coisa ela ouviu em 2008 na ONU em Nova York.


E ai ela disse algo que me marcou muito.. Disse que o avanço é muito pequeno, que as pessoas comparam o ruim com o pior quando dizem que ainda não está bom, mas já melhorou bastante. Diante disso não pude deixar de me questionar até que ponto de fato avançamos.


Tudo se intensificou muito de uns anos pra cá com a dita liberdade sexual, mas depois das lutas igualitárias da década de 60 a sensação que eu tenho é que as coisas se aceleraram, mas seguindo para mesma direção.


Sempre observei uma coisa muito engraçada nas minhas amigas, moderníssimas, cheias de atitudes, mega-feministas... A verdade é que a maioria delas se sente à máxima do feminismo por que se permitem fazer sexo casual ou então dão o cuzinho, mas fazem tudo isso para saciar o desejos dos seus machos alphas e no final da historia continuam sonhando com o vestido branco e o príncipe encantado.


Se for para falarmos de gays então a situação é ainda mais tacanha. Conversando com um amigo esses dias ele me dizia que na sua pesquisa sobre homossexualidade encontrava autores do inicio do século que descreviam pegassão em banheiros públicos e parques. Não queridos, chupar piru em banheiro público não é novidade... Não somos moderninhos, muito pelo contrario, nós perpetuamos um modelo que segue moribundo tem algum tempo. A dinâmica antiquada do ativo/passivo permanece e a copia da falida relação heterossexual também. No louco imaginário homossexual o ativo é o macho fodedor e o passivo uma garotinha danadinha. Isso é tão forte, que curiosamente andei procurando historias de dominação sexual onde houvesse passivo como dominador, tal como existem mulheres que o fazem. Sabem a Rainha Sadô? Aquela mulher que coloca o salto alto e chicoteia o homem??? Então.. Queria ver uma historia de dominação onde o dominador é penetrado e senta a mão na cara de quem está o comendo. Desafio os senhores a achar um conto com esse conteúdo ou uma foto nesse sentido... Agora procurem o contrario pra poder ver a tsunami de informações que vai passar pela sua navegação. Conheço um garoto que sequer dá para outro se achar que ele tb faz passivo.


E sabem o que mais me incomoda?? Agora peço desculpa a vocês meus leitores, mas eu tenho a mais absoluta certeza que uma parte significativa de vocês ainda não vão alcançar com plenitude do que estou falando e vão vir com coisas do tipo “não sou e nem gosto de afeminados”. O que eu to falando é muito maior que isso, é uma questão cultural, é um discurso massificado, é uma serielização de um comportamento que se da em cima de valores que dizemos desprezar, mas que na verdade perpetuamos cada vez que repetimos ele.


Cada um faz o que achar melhor pra si na cama, o problema é fazer marketing em cima da tal virilidade sem se dar conta do que isso significa. E quanto perdemos??? Qto deixamos de explorar por estar presos a essas mesquinharias??? Esses dias mesmo li num blog o carinha recomendando que experimentem um hetero para ver que vale a pena. Hetero onde, cara-pálida?? Se é hetero eu não posso experimentar... Ele é tão homossexual quanto eu, a diferença é que ele morre de medo que mamãe descubra e eu um dia fui homem o suficiente para sentar e ter uma conversa franca com a minha. E por que eu ainda tenho que sair gritando aos sete ventos que ele é a ponta da pirâmide da sexualidade e eu não????? Já transei com homens casados (heteros para sociedade) e com afeminados assumidos... Tive experiências positivas e negativas com ambos, seria uma estupidez da minha parte dizer que todos os homens que não assumem sua sexualidade são de antemão melhores do que os que fazem isso.


O a mais que esses homens carregam está na cabeça de quem está transando com eles, se trata de uma questão de condicionamento. A palestrante que cito no inicio do post conta de experiência de mulheres que perderam a sensibilidade da metade pra baixo, ou homens que perderam a ereção após uma paralisia e ainda sim permanecem tendo vida sexual. Como??? Condicionamento, tiveram de resignificar a idéia de sexo, as fontes de prazer, rever o discurso corrente e manifestar suas sexualidades dentro das suas possibilidades. Como bem diria Millôr Fernandes o maior órgão sexual é o cérebro. Qdo mais jovem o cumulo da sensualidade pra mim era homens mais velhos, atualmente são os mais novos... As coisas mudam, precisamos ser mais críticos e refletirmos melhor a cerca do que falamos e acreditamos, por que nenhum desejo é inato e só somos de fato livres quando percebemos o contexto em que vivemos e manipulamos nossas atitudes a nosso favor. O contrario disso nos torna sorridentes marionetes que só repetem o que todos dizem e ainda nos achamos o máximo por fazer isso.


17 comentários:

  1. Clap! Clap! Clap! Perfeito!!! Sem palavras. Sério mesmo - adorei e assino embaixo.

    P.S.: Agora vai tomar um banho que sua mão deve ter suado muito depois de escrever tanto.

    ResponderExcluir
  2. Super hiper mega interessante ... esta percepção é SUPIMPA mesmo ...

    É por estes aspectos q vivre sempre vale a pena ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  3. Fazer um real proveito do sexo exige muito mais do que muita gente de fato pensa, e foi bom tu ter ressaltado ai em cima que parte da galera talvez não poderá compreender isso, mas existem certas questões que comportamento e "preferencias" assim em aspas mesmo, que apenas reproduzimos o que vemos por ai, sem compreender de fato se são importantes e o que isso se reflete em nós.

    Poxa, adorei o texto.
    Sempre é legal ver algo bacanudo assim.

    Beijao!

    ResponderExcluir
  4. *Conheço um garoto que se quer dar para outro se achar que ele tb faz passivo.

    O correto é:

    Conheço um garoto que SEQUER DÁ para outro, se achar que ele tb faz passivo.

    ResponderExcluir
  5. Já esta editado, Bessitur... Obrigado pela sua colaboração!!!

    ResponderExcluir
  6. ADorei a reflexão e coincide com um post-tweet que publicarei amanhã.

    Sobre o dominator? O passivo batendo é interessante e mais interessante ainda é forçar o passivo a comer como técnica de dominação, mostrar que ele faz o que manda e não o que deseja.

    Reflexões, reflexões.

    Bom domingo!

    ResponderExcluir
  7. Acho que não tenho muito o que complementar nesta questão. Só sei que tem uma pá de gente ai que não se submete a uma pá de coisa pra manter sua virilidade, e deixa de aproveitar muito da diversão :p

    Eu acho que se for pra fazer sujeira, tem que sujar até a ponta do dedão do pé! XD

    Beijos gatón!

    ResponderExcluir
  8. uaa...esse post tb foi uma palestra..rs..e muito boa por sinal!

    bjão

    ResponderExcluir
  9. otimo texto.
    maravilhosas argumentaçoes.
    e concordo com elas em genero, numero e grau!


    abraços
    voy

    ResponderExcluir
  10. Oi
    Obrigado pelas felicitações deixadas no blog do Paulo. Os amigos fazem pare dessa festa.
    Bjux

    ResponderExcluir
  11. Agradecendo o carinho lá no blog, informo q na festa dos 37 anos vosmicê será convidado com direito a uma hiper mega suruba ... de língua claro ... se é q ela ainda terá ereção ... kkkkkkkkkkkkk

    Este coment do Lobo foi ótimo:

    "Eu acho que se for pra fazer sujeira, tem que sujar até a ponta do dedão do pé! XD"

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  12. Realmente incrível... mãs infelizmente o sexo ainda gira em torno de muito preconceito e tabus... o que é uma tremenda perda de tempo!

    O que fico mais chocado com tudo isso e principalmente dentro do universo gay... é que os próprios... (98%)... criam preconceitos dentro da própria comunidade!

    Isso é terrível... já não basta o preconceito que podemos sofrer da comunidade de fora... sentimos a necessidade de criar um interno?

    ***

    umBeijo!


    ;-)

    ResponderExcluir
  13. que texto inteligente e cheio de bons argumentos, voce explorou muito bem o tema da palestra. bjs

    ResponderExcluir
  14. Brilhante texto. Não consigo acrescentar em nada, concordo com tudo e assino embaixo duas vezes se for necessário!

    Parabéns Gato!

    ResponderExcluir
  15. Taí. Ótimo raciocínio. Há que se pensar mais, adubar o senso crítico, questionar. Muitas coisas que você citou, e que fazem total sentido, eu nunca tinha parado pra reparar.
    Ótimo. Mesmo.

    [j]

    ResponderExcluir