17.2.10

Afeminados



Na postagem que fiz sobre o BBB e seus coloridos comentei a cerca do quanto acho divertido a comoção que uma figura afeminada como Serginho causa no próprio meio gay estando num programa com a repercussão do BBB.

Segregados como poucos, o gueto gay é absolutamente hostil com aqueles que pela via do seu comportamento acabam por deixar clara sua sexualidade. Dia desses conversando com um amigo sobre o por que dele não gostar do Serginho vi com toda clareza a dinâmica do preconceito. Dentre seus terríveis argumentos estavam a idéia de que a maneira dele justifica o preconceito, em outras palavras ser afeminado torna justa a violência.

Acredito que o processo pelo qual todos nós passamos onde em uma parte significativa da vida (em alguns nela inteira) precisamos pensar malabarismos diversos para tentar esconder a homossexualidade seja um grande colaborador para colocar os trejeitos no lugar de destaque que eles ocupam. A verdade é que no meio gay, a maneira como um homem gesticula, fala, olha, as palavras que usa, expressões e etc são infinitamente mais importantes do que valores como caráter, companheirismo, cumplicidade e outros.

De certa forma até compreendo, mas ainda sim me irrito do vejo uma foto num orkut fake escrita “não sou e nem gosto de afeminado”, por que acho complicado fazer disso uma bandeira. Não que o sujeito seja obrigado a aderir todos os tipos, mas esse desejo que a primeira vista parecer algo intrapsiquico, quase inato, trás consigo toda a trama de preconceito e estereótipos que nos vitima, sejamos afeminados ou não.

Particularmente isso pra mim não é mais uma questão. Ao entrar em contato com um homem ele pode parecer atraente ou não por uma gama de fatores que vão além de vocabulários e essas coisas que me parecem menores. A questão é observar o todo... Falando a cerca do meu próprio comportamento, cheguei num momento da vida onde não me preocupo mais se pareço ou não, se as pessoas sabem ou não, se isso é claro, ou não.

O que torna essa dinâmica mais ridícula que tudo é a quantidade de gays que são afeminados e atiram no próprio pé criticando severamente aqueles que parecem mais afeminados que eles. É a mesma coisa que rir de alguém que não tem as duas pernas por que vc só não tem uma. Se engana quem pensa que o amigo com quem eu tive a conversa sobre o Serginho seja um exemplo de masculinidade. Tenho um outro que tem a voz fina como uma criança de cinco anos e adora dizer que “A” ou “B” tem a voz de bicha. Em certa ocasião conheci um na internet que destacava constantemente o fato de não parecer e o quão isso era importante pra ele, quando na verdade o rapaz parecia claramente ser o que de fato era.

O que torna tudo ainda mais patético é que a maioria aponta como se aquilo fosse de uma realidade muito distante, não se trata de uma questão de autocrítica. Ele finge que não enxerga em si aquilo que todo mundo vê.

Paulo Freire dizia que a “Ideologia do dominador permeia a consciência do dominado” e acredito piamente nisso. Freire se referia a dominação cultural quando disse a frase e aponta para o fato de que quando ocupamos um “sublugar” tendemos a entender o lugar do outro como ideal tentando sempre alcança-lo. Na conversa com meu amigo, ele dizia que a todo momento ficamos tentando provar que somos iguais aos heteros e me aparece o Serginho no BBB.... Peraí cara pálida, essa afirmação me parece um tanto qto estranha. Naturalmente de alguma forma somos todos iguais, mas isso não exclui nossas especificidades. Há 50 anos atrás o movimento feminista cometeu aquele que talvez tenha sido seu maior erro que foi propagar a idéia de que a mulher deveria ser igual o homem, quando o foco deveria estar em como ser livre e independente gozando dos mesmo direitos. Cinqüenta anos depois caímos na mesma armadilha.

Não estou querendo dizer que ser afeminado seja uma condição necessária da homossexualidade, muito menos que deve ser adotado como um estilo de vida por um viés político. O que digo é que precisamos parar de rechaçar tudo aquilo que denote homossexualidade, olhar com um pouco mais de respeito nossos semelhantes (leia semelhantes e não necessariamente iguais) e com mais cuidado o nosso próprio umbigo.

20 comentários:

  1. Ainda hoje dei uma pinceladinha no blog da Mulher Asterisco ao falar dessas opiniões enlatadas que as pessoas gostam de ter por achá-las algo culto.

    Na verdade, também fico irritado com a forma acritica que as pessoas tem para adotar o mesmo discurso de preconceito do qual somos todos vítimas. O que falta para as pessoas perceberem que o preconceito é algo amplo, multifacetado e que os aparentes posicionamentos mais críticos são repercussões do mesmo.

    Ora, a falha não é ser efeminado, a falha é que a sociedade é machista, a mulher, o femino, e o que tem conotação com ela é algo inferior. Conotação como a homossexualidade, a posição do passivo e a aparência feminina que na construção social recusa a idéia de força e poder.

    ResponderExcluir
  2. Bem, não tenho nada a acrescentar. Disse tudo, e eu endosso.

    ResponderExcluir
  3. perfeita sua análise ... também dentro de nossa diversidade temos inúmeras diversidades que também devem ser respeitadas e não estigmatizadas com preconceitos ... devemos ter um olhar, uma audição e um linguajar crítico sempre que proferimos discursos contra as diversas formas de preconceito, pois cada um de nós, em algum momento da vida, ou em alguma circunstância dela, manifestaremos algum tipo de preconceito ... não tem como ... o ser cultural não fica imune a preconceitos ... aqui cabe a afirmação de Paulo Freire ... por isto cautela amigos qdo apontarmos para alguém ... sempre apontamos com um dedo enquanto os outros quatro estão voltados para nós mesmos e. mais cedo ou mais tarde alguém apontará para nós ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  4. estou com raiva deste wiget dos Top Comentaritas ... o meu parou de funcionar e nada faz ele voltar a atuar ... brrrrrrrr ... nem sei pq estou reclamando isto aqui .... kkkkkkkkkkkk

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  5. Olha, as vezes essa rejeição aos afeminados é só mesmo uma questão de atração. É como gostar de homens altos,baixos,magros.. Eu por exemplo gosto de homens peludinhos, você pode não gostar. Vai saber... É só uma questão de gosto mesmo.

    Desconsiderando o aspecto da atração, são outros 500. Só pra esclarecer: nada contra o cara ser afeminado, NADA MESMO. Mas alguns tipos me deixam um pouco contrariado, liberais como são (leia-se: escandalosos). Até um pouco encabulado.

    Na rua, seja feliz. Mas segure seu fogo. Hushuashausuah
    Nada de ficar soltando piadinhas com quem passa.

    ResponderExcluir
  6. Gato, teu texto está muito bom. Sabe, uma coisa que eu nunca entendi é porque é tão comum que quando um homem faça a opção sexual por homens, isto implique em mudanças na voz e no gestos. Acho que deve ser meio complexo mesmo, mas que, como você escreve, deve ser aceito, pois não tem nada de indigno ;)
    Bjus

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Tenho um amigo hetero que diz "só ando contigo porque tu é homossexual, mas não é bichinha". Respondi adequadamente: "e eu só ando contigo porque tu só fala idiotices como essas e só é babaca de vez em quando, e não o tempo todo". O discurso que se seguiu é bem parecido com esse seu post.

    Observe com atenção o atual perfil do homem jovem heterossexual. Difícil, né? Sim, porque não existe SÓ UM perfil: tem os atletas, os descolados, os bombados, os nerds, os alternativos, os "machões" e, SIM, os afeminados (inclusive entre os heterossexuais). Porque o mesmo não deveria acontecer com os homossexuais? Aliás, a orientação sexual é assim uma característica tão "devastadora" ao ponto de mudar todo esse perfil individual?

    Acho lamentável que gays como o Serginho sejam ridicularizados por outros gays. E também é lamentável que muitos GLBT considerem negativa a imagem da mulher masculinizada e do homem afeminado para os movimentos ativistas, com o argumento de que "aumentam a visão estereotipada" dos homossexuais. Mas quem cria a visão estereotipada são os homofóbicos, não os gays. Erro total!

    Concordo absolutamente com a sua opinião. Foi muito bem elaborado e explicado, parabéns!!!

    Abraços!

    PS: ganhou um seguidor, volto aqui mais vezes! =)

    ResponderExcluir
  9. Eu amo o Serginho, e não é só eu não. Ele é o grande destaque desse bbb. Lembrando que um gay assumido venceu já o programa. Por isso, acredito que o Brasil nem é tão preconceituoso. Iso que tu disse de repulsa à trejeitos afeminados, acho que a psicologia explica. O que a gente reprime na gente, se vermos escancarado no outro, nos causa repulsa. Mas acredito que com o tempo isso melhore. Ainda bem que existem pessoas como o Sérgio Barros, que dá a cara pra bater, que se assume relamente como ele é, em cadeia nacional. Um viva aos gays corajosos e de atitude!

    ResponderExcluir
  10. Concordo contigo até a página 100 (notou que presto atenção nos seus comentários por aí? hein? hein?) e acrescento um apêndice: não fosse os afeminados, a visibilidade e aceitação gay estaria há anos luz do que temos hoje.

    ResponderExcluir
  11. Texto excelente. Só faço um adendo. Não concordo qnd vc diz que esses trejeitos DENOTAM a homossexualidade. Seria mais preciso dizer que são (erroneamente) associados a idéia da homossexualidade.

    Na verdade estes são comportamentos afeminados, ou seja, ligados a uma idéia de gênero: masculino ou feminino. O que em nada tem a ver com a orientação sexual, seja ela homo, hetero ou bi.

    ResponderExcluir
  12. O Edu disse tudo!

    Nós tinhamos que nos aceitar como um todos e não em guetos. È sempre a mesma história, os bombados contra os gordos que são contra os afeminados e por aí vai. Há uma plularidade gay enorme não conquistamos mais espaços porque somos preconceitusos com nossa própria espécie. Uma pena. E confesso não acreditar em alguma mudança.
    Muito triste e muito verdadeiro seu texto.

    ResponderExcluir
  13. Seria um perigo uma Vaca rabugenta comentar esse post agora. Entendi direitinho teu ponto de vista e acho que faz muito sentido. Mas tu bem sabes: não sou sindicalizado e não sou politicamente correto... hehe! Eu respeito as pessoas de forma total: podem ser machos gama, fêmeas beta ou gays alpha. Agora também me sinto no direito de dizer - sem dano algum na consciência - que não sou e não curto caras afeminados. Não curto no sentido de não me sentir atraído por alguém assim enquanto possível parceiro/amante. Podem ser meus amigos, meus cunhados, meus primos, meus colegas e meus confidentes mas jamais serão meus homens. Gosto de gente autêntica, trasparente... gente que quando quer soltar a franga, solta e que quando quer coçar o saco e cuspir no chão, coça e cospe. Be yourself! Se me permite um pouco mais... no caso do Serginho [ver BBB10] digo em alto e bom som: não sinto a menor empatia por ele. Por ele ser afetado? Não. Simplesmente por ele não demonstrar a mínima consistência... não exibe postura, não proclama opinião, é volúvel e se deixa levar pelos outros a todo instante. Disperdiça a oportunidade de mostrar que para ser gay de verdade nesse país tacanha é preciso ser antes muito macho. E ser macho não impede que o cara passe blush, faça chapinha e use shortinhos ridículos. Ser macho passa por ter fibra. O homem pode ser o que quiser para mim: bicha, veado, bi, pan, machão, enrustido ou simpatizante... mas precisa - seja em qual for a situação - mostrar que tem culhões! Moooooooooooooooooooooo! Mugiu a vaca furiosa... hehehe!!!! Ótima discussão, Gato! Abraços!

    ResponderExcluir
  14. Sempre preciso nas colocações essa rapaz!!!
    Bom... não vou menir... como foi difícil escrever algo a cerca do assunto... pude observar que estava procurando justificativas para atacar o pobre rapaz e demonstrar como a atitude afeminada dele é prejudicial para todos os homossexuais... e quando reparei isso... de verdade... me senti muito mal... Qualquer coisa que venha justificar tal atitude, redundante ou não... contraditório ou não... é injustificável.

    "Acredito que o processo pelo qual todos nós passamos onde em uma parte significativa da vida (em alguns nela inteira) precisamos pensar malabarismos diversos para tentar esconder a homossexualidade seja um grande colaborador para colocar os trejeitos no lugar de destaque que eles ocupam".

    Gente como isso é difícil...
    Agora me peguei pensando... será que tudo isso (essa repulsa), não é um pouco de inveja com os mais afeminados, afinal, eles não tentam esconder algo que para mim é tão difícil de esconder.

    Bjus

    ResponderExcluir
  15. Como assim demorou pra saber quem era a vaca? Ela não usava a foto do queixo alpha no perfil, antes? E não fique bravo porque ela nem veio me avisar, despobri por acaso há poucos dias através de um comentário em um outro blog. A vaca não me ama. A vaca é a Rosa do Pequeno Príncipe.

    ResponderExcluir
  16. a melhor do dia sem dúvida ... kkkkkkkkkkkkkk

    Ela veio assim, anônima, como cristo virá.. Bateu na porta dos blogs conhecidos pedindo um prato de comida e eu, generosamente, dei.. Pk eu sou assim.. Dado, sabe????

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  17. Com quem vc precisa dormir para ter um gps na Vaca?!? Hummmmm... Faz assim, pega caneta e papel que vou te passar a lista... hahahahahahaha!!!
    Em tempo: esse comment do Braccini acima é ÓTEMOOOOO!!! Vou emoldurar e pendurar aqui no celeiro... hehe!!!
    Ótimo-maravilhoso-excelente fds pra vc!!!!! Hugzão!

    ResponderExcluir
  18. Malditos rótulos... Pior ainda que tem gente que pensa que gays são só aqueles que se vestem de mulher.

    ResponderExcluir
  19. Sinceramente, evito amizades físicas com homossexuais afeminados. Simploriamente por medo de ser chutado do armário. Sei que não sou um poço de masculinidade, mas engano bem hehehehe. Por esse medo evito conhecer afeminados, mas mantenho uma boa lista deles nos contatos do msn, isso não me prejudica em nada. Mas também não me sinto atraído por eles, não me imagino com um cara desse tipo. Se não fosse por estar no armário, acho que teria mais amizades físicas sem problemas, mas por hora fica no virtual mesmo. Acho que é questão de tempo para melhor visualizar o que o mundo dirá de mim e não das minhas companhias.

    ResponderExcluir